Veja agora 10 dicas de organização financeira

Como organizar minhas finanças? A maioria dos brasileiros deve ter se feito essa pergunta milhares de vezes nos últimos meses, pois o país está em meio a uma grave crise financeira com aumento do desemprego e instabilidade financeira.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 10% da população não deve ter vagas no mercado de trabalho até o final deste ano, enquanto a taxa de crescimento nacional não deve ultrapassar 0,5%. Esta situação é definida como estagnação econômica

Mas o que isso significa para sua vida familiar? Agora é a hora de refletir sobre como eliminar as dívidas e economizar dinheiro. Isso porque a organização das finanças pessoais é um ato de equilíbrio no dia a dia de qualquer pessoa hoje.

De acordo com um site especializado em empreendedorismo, os administradores dizem que questões financeiras podem afetar perigosamente o estado emocional e o desempenho no trabalho e criar conflitos em casa. Muitos brasileiros ainda acreditam que o dinheiro por si só é suficiente para remover todos os problemas. Na prática, este não é o caso.

Ao contrário do que parece, a saúde financeira exige medidas muito simples baseadas em planejamento e comprometimento de longo prazo. Aprender ideias de “como organizar minhas finanças” pode realizar sonhos pessoais e profissionais.

3 dicas de organização financeira e gastos com inteligência

Então, uma forma eficaz de organizar minhas finanças é equilibrar suas receitas e despesas? Aliás, esse é o primeiro passo para qualquer brasileiro que queira sair de encrenca. Porém, se você depende do seu salário para manter seu padrão de vida, você não está preparado para os imprevistos.

Ninguém gosta de pensar nisso, mas e se você perder a funcionalidade desejada? Quando você vai mesmo optar por se aposentar? Eles tendem a ser pagos um pouco menos do que são agora. A solução é equilibrar sua renda e descobrir onde investir meu dinheiro e se tornar um investidor digital.

Como organizar minhas finanças? Confira 10 sugestões simples!
Nunca o brasileiro precisou fiscalizar seus gastos como faz hoje. Se você está pensando em “como organizar minhas finanças”, saiba que determinar seus gastos e receitas é o ponto de partida para qualquer meta financeira de curto, médio ou longo prazo.

Isso porque, saber onde economizar e onde investir é essencial para quem quer acumular seu primeiro milhão de reais e realizar o sonho da casa própria. No entanto, a mudança de atitude é mais importante para quem precisa sair do mato.

1 – Taxas Fixas e Variáveis ​​Separadas

Você entende a diferença entre custos fixos e variáveis? Basicamente, as cobranças fixas são contas que se acumulam mensalmente, como contas de água, luz, telefone, internet, alimentação, aluguel, cartões de crédito, etc.

As despesas variáveis ​​referem-se a despesas geralmente relacionadas a entretenimento e gratificação, bem como viagens para cinema, restaurantes, parques, passeios, roupas, calçados, brinquedos, clubes, etc.

Ao contrário do que muitas pessoas muito radicais imaginam, os gastos variáveis ​​são essenciais para que os indivíduos mantenham a vontade e uma boa qualidade de vida. No entanto, essa felicidade não pode ser sua principal fonte de dívida ou fazer com que seu orçamento fique inflado.

De acordo com o Portal Brasil de Fato, uma boa proporção é gastar 35% de seu orçamento com essas despesas, 15% em investimentos diversos e metade em despesas fixas.

No entanto, essa porcentagem pode variar muito com base em sua renda majoritária, especialmente se exceder suas despesas. Portanto, é necessário aplicar mais para construir patrimônio em um curto período de tempo, não apenas para saber organizar minhas finanças, mas também para melhorar seu padrão de vida.

2 – Identifique sua fonte de renda

Saber de onde vem o seu dinheiro é crucial, especialmente agora que os brasileiros tendem a fazer muitas atividades profissionais em seu tempo livre. Afinal, se algo em que você colocou todo o seu coração não rendendo nada, isso significa que você está perdendo seu tempo.

Dessa forma, você verá onde pode melhorar e se precisa trocar alguns fluxos de receita por outros. Ter um bom fluxo de entradas é importante para saber equilibrar as contas corretamente.

3 – Crie um plano com objetivos pessoais e familiares

A forma como organizo minhas finanças tem muito a ver com o planejamento antecipado por semana, mês e ano. Metas consideradas de curto prazo são aquelas que são válidas por menos de um semestre, além de quitar dívidas, etc.

Metas de médio e longo prazo são metas que ultrapassam um ano. Nesse sentido, você pode organizar suas férias, economizar dinheiro para aulas de qualidade, pagar a casa própria ou qualquer outra meta que precise adicionar à sua lista.

4 – Escolha o investimento certo para seus objetivos

Sempre que aprendo a organizar minhas finanças, o próximo passo é descobrir onde investir meu dinheiro. Isso porque muitas pessoas pensam que a melhor maneira de economizar dinheiro é colocar tudo em sua conta corrente ou poupança.

Na verdade, você economizará seus recursos e ganhará muito pouco com esses exercícios. Por isso, a dica é sempre usar seus fundos de acordo com seus objetivos. Se forem de curto prazo, as apostas ideais são fundos de investimento com vencimentos de liquidez de até 30 dias, ou produtos de renda fixa como cartas de crédito, CDB, etc.

Para fins de longo prazo, como comprar um veículo para presentear seu filho, quando ele atingir a maioridade, está disponível um título público, uma letra direta do Tesouro, que paga a inflação mais 5%. O maior benefício é que esse investimento é considerado imune à inflação.

Isso significa que, mesmo que a inflação suba da noite para o dia, a rentabilidade dos títulos aumentará significativamente porque é um índice de inflação. À medida que muda, o mesmo acontece com a sua renda.

Já pensou na felicidade quando seu filho recebeu o carro em seu aniversário de 18 anos? É muito mais simples do que você imagina, e o valor envolvido é bem acessível.

Saiba mais sobre os Títulos Diretos do Tesouro dos EUA

5 – Evite pagamentos parcelados

Um cartão de crédito não é o inimigo, se você souber usá-lo bem, aproveite todas as suas vantagens, como milhas e descontos em produtos. No entanto, os pagamentos em dinheiro precisam ser sua primeira escolha, tanto quanto possível, para entender como organizar minhas finanças.

Além disso, pelo poder de negociação do pagamento à vista, há um desconto que jamais seria oferecido ao parcelar o valor. Isso acontece até com móveis, eletrônicos e diversos tipos de produtos necessários para o conforto do lar, lazer ou uso profissional.

Sempre vale a pena esperar para juntar tudo para pagar de uma só vez, sem se preocupar com novas dívidas, então todos os bens de consumo básicos precisam ser liquidados a tempo. Isso se aplica a alimentos, roupas, produtos de limpeza e outros itens do dia a dia.

6 – Respeite seu padrão de vida

Dicas de instituições financeiras são sempre bem-vindas, mas você precisa respeitar seu estilo de vida. Em geral, as pessoas se ajustam bem a tudo ao seu redor. Quando as finanças da família estão organizadas, há o desejo de gastar mais.

Agora é a hora de refletir e parar com esse desejo e manter seu padrão de vida. Você não entende? Considere o seguinte exemplo: uma família recebe 25.000 reais para cada pessoa, mas gasta 27.000 reais a cada 30 dias, enquanto outra família recebe 3.000 reais e consegue pagar todas as contas com 2.000 reais, para cada 1.000 reais reservados para esse investimento.

Quais dessas famílias são financeiramente estáveis ​​o suficiente para prever a expansão de suas propriedades no médio e longo prazo? Claro, essas pessoas não gastam mais do que recebem.

7 – Educação Financeira Prática

As dicas de organização financeira devem ser compartilhadas com toda a sua família, pois é inútil impedir que todos economizem sem saber o porquê. O ideal seria ensinar passo a passo o básico de como organizar minhas finanças.

Basicamente, é necessário explicar como a economia atual pode produzir momentos memoráveis ​​no futuro. Por exemplo, as economias mensais podem permitir que seu filho ganhe um carro quando fizer 18 anos ou quando viajar nas próximas férias escolares.

Na verdade, muitas pessoas têm dificuldade em fazer planos para um ano ou mais porque querem aproveitar tudo imediatamente. Isso é muito comum. O primeiro passo para corrigir essa postura é reconhecer o exagero e trabalhar para mudar a mentalidade.

Você sabe como ensinar aos seus filhos a importância de economizar dinheiro? A mesada pode ser uma ótima maneira de ensinar ao seu filho a primeira lição, sempre com responsabilidade e paciência.

8 – Aproveite a segurança do planejamento

Em algum momento, as coisas tendem a não acontecer nos seus planos, afinal, é impossível prever tudo! Mas quando você sabe como se livrar das dívidas e começa a planejar a longo prazo, essas surpresas começam a diminuir, podendo até desaparecer por completo.

A estabilidade proporcionada pelo planejamento financeiro é muito bem-vinda. Você está confiante de que está pronto para circunstâncias imprevistas. Com planejamento em mente, sua família terá estrutura econômica para executar ações mais ousadas ou até mesmo viajar para o exterior.

9 – Evite erros de principiante

Você não deve cometer erros de principiante, como ir longe demais em despesas diárias mínimas ou não contá-las. É preciso saber controlar e registrar cada despesa no relatório mensal. Cada centavo pode fazer a diferença.

Outro erro comum é a compra por impulso sem necessidade. Assim, você não precisa comparecer a feiras, lançamentos e promoções. Não consegue escapar de uma oferta recebida por e-mail? Apenas não clique ou faça uma compra.

Outro conselho muito simples sobre como organizar minhas finanças: Nunca vá às compras com fome. De acordo com a pesquisa, também pode ajudar sua saúde porque impede que você use alimentos de baixa caloria e baixo teor de nutrientes.

10 – Reveja o seu plano

Embora o plano econômico possa estar correto, ele requer revisão ocasional. As metas mudam, seus gastos mudam com base na inflação e fatores que você nem pensou podem afetar seus esforços.

Portanto, avalie seu desempenho financeiro mensalmente e, se perceber algum sinal de erro, pare imediatamente, faça as correções necessárias e comece tudo de novo. Pode ser um trabalho árduo, mas muitas vezes vale a pena!

Fontes: freesider.com.br